domingo, 31 de março de 2013

Álbuns Essenciais - Metal Cristão

Álbuns Essenciais


Esta seção apresenta listas diversas e seleções dos temas mais variados, feitas pelos editores. Objetiva-se estimular a discussão  e os debates, recebendo as opiniões dos leitores e as colocando em paralelo.





ESTA NÃO É UMA POSTAGEM DE CUNHO RELIGIOSO. O UNLIMITED DECIBELS SE RESERVA O DIREITO DE MANTER-SE LIVRE DE QUALQUER POSTURA PERSONALIDADE RELIGIOSA.

________________________________________________________________
Álbuns Essenciais - Metal Cristão

Poucos gêneros da música contemporânea são tão abrangentes quanto o Metal. É de fácil percepção que o gênero abarca diversas categorias em seu escopo. Musicalmente falando, peso, melodia, influências folclóricas, eruditas, sinfônicas costumam ser absorvidas pelo Metal com maestria, sendo, costumeiramente, parâmetro para a divisão do estilo em subgêneros. Podemos observar que o Metal pouco faz discriminação com as mais diversas influências utilizadas pelas bandas pertencentes a cada um desses gêneros. 

O tema do presente artigo, por sua vez, escapa simultaneamente às duas "regras" supracitadas. Em primeiro lugar, sua separação dentro do Metal é dado perla temática de suas letras, e não por variação musical; e, em segundo, este subgênero é um dos mais marginalizados e controversos dentro do próprio Metal. Falamos do Metal Cristão, ou White Metal.

Um subgênero?

Inicialmente, faz-se necessário expor que o White Metal, definitivamente, não segue a lógica de subdivisão do Metal. Sua temática lírica, no entanto, tem agregado as bandas que tratam da mesma de forma mais contundente do que outras, ao longo da história do gênero. O Metal Cristão  reúne bandas de todos os subgêneros do Metal, tendo representantes até mesmo no Black Metal, campo comum de temas relacionados ao ocultismo, satanismo e anticristianismo. Apesar de, visivelmente, não pertencer ao mesmo campo estrutural dos subgêneros do Metal, o White Metal acabou assumindo um caráter identitário, que partiu, anteriormente como instrumento de marginalização e exclusão, mas funcionou como escudo e mecanismo condensador, para as bandas do gênero. Em outros termos, o que era usado de maneira pejorativa, acabou sendo admitido como imagem real de tais bandas.


terça-feira, 26 de março de 2013

Baroness: Desfalcado pela experiência de quase-morte



Uma das melhores bandas da nova geração, o Baroness, passou por duros momentos no último ano. Apesar do lançamento do magnífico
Yellow and Green, aclamado pelos fãs e pela crítica, a banda sofreu um grave acidente de ônibus durante a turnê, na Inglaterra.

domingo, 24 de março de 2013

Fim do Black Country Communion

O vocalista Glenn Hughes anunciou hoje, em sua conta no Twitter, o fim do supergrupo Black Country Communion. Hughes deixou claro em sua mensagem as razões para o fim do excelente projeto, dizendo:



sábado, 23 de março de 2013

Resenhas - Coheed and Cambria - The Afterman: Ascension (2012)



Resenhas

Esta seção apresenta análises críticas dos editores, afim de propor debates e discussões – o mais construtivas possível – sobre o álbum resenhado.


A resenha é uma abordagem que se propõe a construção de relações entre as propriedades de um objeto analisado, descrevendo-o e enumerando aspectos considerados relevantes sobre ele. No jornalismo, é utilizado como forma de prestação de serviço. Pode ser texto de origem opinativa e, portanto, reúne comentários de origem pessoal e julgamentos do resenhador sobre o valor do que é analisado.




terça-feira, 12 de março de 2013

Resenhas - Sonata Arctica - Stones Grow Her Name (2012)



Resenhas

Esta seção apresenta análises críticas dos editores, afim de propor debates e discussões – o mais construtivas possível – sobre o álbum resenhado.


A resenha é uma abordagem que se propõe a construção de relações entre as propriedades de um objeto analisado, descrevendo-o e enumerando aspectos considerados relevantes sobre ele. No jornalismo, é utilizado como forma de prestação de serviço. Pode ser texto de origem opinativa e, portanto, reúne comentários de origem pessoal e julgamentos do resenhador sobre o valor do que é analisado.


segunda-feira, 4 de março de 2013

Unlimited And Covered - July Morning (Uriah Heep - Axel Rudi Pell)


          Uriah Heep é uma banda inglesa de hard rock dos anos 60, de grande sucesso na Europa (nos primeiros anos) e logo conquistou todo o mundo. A banda ainda está em atividade com mais de 20 álbuns de estúdio, 13 álbuns ao vivo e 9 coletâneas. Influenciou muitos músicos europeus, como Jarkko Ahola, Witchcraft e tantos outros. Dentre os clássicos da banda, está a música “July Morning”, que é originalmente do terceiro disso do grupo, chamado “Look at Yourself”, de 1971. Foi escrita por Ken Hensley e David Byron (tecladista e vocalista, ambos da formação original e já não fazem mais parte da banda). A música é incrível, utilizando-se de um sintetizador Moog para simular um órgão e riffs muito bem construídos. Tudo soa muito perfeito e pensamos que não há como melhorar essa música. Na verdade, sim. Até que Sir Byron resolve cantar uma letra de amor, solidão e melancolia. O eu-lírico retorna para casa em uma manhã de Julho, depois de uma viagem meio a tempestade, e buscava encontrar a pessoa que lhe cabia melhor (aquela que estava em sua mente e coração). Confira o vídeo abaixo:



          Axel Rudi Pell é um guitarrista da Alemanha que iniciou suas atividades em 84 na banda Steeler. Não tardou muito, e em 1989 ele opta por ter sua carreira solo e banda, até hoje, possui o seu nome. Muitos músicos notáveis já passaram por ela, como Jörg Michael (ex Stratovarius), Rob Rock (Impellitteri), Jeff Scott Soto, etc. No álbum “The Masquerade Ball” (2000) há um belo cover da música já apresentada a você, leitor, do Uriah Heep. A melancolia inicial do órgão foi mantida neste cover, mas a bateria (esse foi o primeiro disco do Mike Terrana no Axel Rudi Pell) é rápida, pesada e dá um toque “heavy metal” especial. Igualmente podemos afirmar das guitarras de do baixo, que dão um ar mais pesado... Semelhante à angústia, entende? O sentimento de tristeza do eu-lírico da letra por não encontrar quem queira deixa de ser melancolia e transforma-se em angústia, devido à atmosfera instrumental somada a voz do Johnny Gioeli. Enfim, é um ótimo cover, que faz jus a música original e não deixando a desejar aos fãs do Uriah Heep. Vale a pena ouvir!



sábado, 2 de março de 2013

Resenhas - Dream Theater - Black Clouds & Silver Linings (2009)



Resenhas

Esta seção apresenta análises críticas dos editores, afim de propor debates e discussões – o mais construtivas possível – sobre o álbum resenhado.


A resenha é uma abordagem que se propõe a construção de relações entre as propriedades de um objeto analisado, descrevendo-o e enumerando aspectos considerados relevantes sobre ele. No jornalismo, é utilizado como forma de prestação de serviço. Pode ser texto de origem opinativa e, portanto, reúne comentários de origem pessoal e julgamentos do resenhador sobre o valor do que é analisado.